quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Paul Mauriat - 70 a 72 - Novas formas

1972 – NOVAS TÉCNICAS:

1972 marca passagem para novas técnicas e formas, claramente; porém já sentida, em parte, em 1971. Em tempos de aparelhos 'hi-fi', sente-se que Mauriat e os seus parceiros brincavam com todas aquelas possibilidades. Hoje, e até na época, há de se considerar alguns excessos; mas talvez tenha sido tal fase que consolidou a orquestra tão brilhante como tal, mesmo depois da panacéia de Love is Blue, de 1967.
É nesse período que entra Gérard Gambus; para mim, mais do que um colaborador. De qualquer forma, para quem sonhava, no Brasil, em andar num Opala coupé amarelo pela Transamazônica, vestia conjuntinho mostarda com suéter gola rolé roxa e sapato branco da moda inverno Lanofix Magazine, em pleno verão carioca, nada mal. 'The Godfather', de Nino Rota: a melhor interpretação de todos os tempos.
(capa meramente ilustrativa)

1972 - A summer place
1972 - Acropolis adieu
1972 - Last summer day
1972 - Ce n'est rien
1972 - Ebb tide
1972 - Freedom
1972 - Godfather
1972 - I don't know how to love him
1972 - Il fait beau, il fait bon
1972 - Jesahel
1972 - Jesus Cristo
1972 - Day by day
1972 - La decadance
1972 - L'amour ca fait passer le tamps
1972 - Le lac majeur
1972 - Les plaisirs demodes
1972 - Melody fair
1972 - On The Beach
1972 - Rendez-vous au Lavandou
1972 - Soleil, soleil
1972 - Summer memories
1972 - Une belle histoire

(capa meramente ilustrativa)

1971 - 13 jours en France
1971 - Black Harlem
1971 - Chirpy chirpy cheep cheep
1971 - Donne ton coeur, donne ta vie
1971 - El condor pasa
1971 - Etude en forme de rhythm et blues
1971 - Here's to you
1971 - La bikina
1971 - La lecon particuliere
1971 - Les rois mages
1971 - Lonely days
1971 - Melancholy man
1971 - My sweet Lord
1971 - Oh, ma jolie Sarah
1971 - Santa Claus is coming to town
1971 - Smic smac smoc
1971 - Sound of silence
1971 - The fool
1971 - Ticket to ride
1971 - Tonta gafa y boba
1971 - Un banc, un arbre, une rue
1971 - We shall dance
1971 - Yesterday

1971 – PSICODELISMO E FOLK:

Japão, 1973

No começo da década de 60, surge a chamada 'música matérica', ou seja, os compositores e arranjadores continuaram a se utilizar dos instrumentos acústicos comuns, com alguns conceitos estéticos da eletroacústica, além de pesquisas nas Ciências em geral (fonética, física etc.). Nessa época, Mauriat parece estar certo de que vai seguir essa linha, sem, talvez, as ousadias estéticas dos anos que vão se seguir. Raspando no psicodelismo, no folk e entrando de cabeça no rock, com destaque para movimento da 'british invasion', deixou uma grande obra nesse período. Destaque para a latino-americana El Condor Pasa. Black Harlen, épica. Em Yesterday e Ticket to ride Mauriat diz por que veio a este mundo; na última lança mão dos recursos da bossa. La lecon particuliere, me remete a Piazzola - extraordinária. De brinde, a mexicana La Bikina com Caterina Valente no arranjo de Mauriat (do tempo em que foi diretor musical dela). Here's to you, diferente; de Joan Baez e Ennio Morricone, tem uma curiosa intro falada; e a letra original diz: "Aqui pra você! E todos os seus pensamentos de amor. Você é uma 'p.' muito 'f.'. Estou feliz que você tenha ido agora. Aqui pra você! Por me deixar pra baixo. Me usou pra você conseguir o que você queria. Camadas de lágrimas que passaram. Quando você notar, estará totalmente só. Aqui pra você e todas as sacanagens que você me fez!". De qualquer forma, as 'chansons' francesas estão repletas disso. Ouça 'Aqui pra você!" e pense em quem não queira que esteja por perto.

1970 – VALSAS:

Talvez Mauriat tivesse cansado da liturgia da música erudita e pensou, quando da sua formação erudita no início: vou ter que tocar sempre a mesma coisa? E seguiu o caminho da música talvez experimental, da música popular e do jazz. Mas também sabia exercer o eruditismo, o lirismo, competentemente quanto qualquer dos melhores e mais bem conceituados músicos dessa área, pois que era essa a sua formação de fato. E aqui está a provação, com algumas músicas do álbum 'Joue Chopin', de 70.
Mas antes mesmo já havia publicado a lindíssima Aranjuez, em uma das mais belas interpretações que escutei. Mas, sinceramente, 'here's to you', liturgia! Apesar do resultado extraordinário e do aporte de gravadoras as obras litúrgicas, eruditas de Mauriat acabem por cair no senso comum. Qualquer boa sinfônica européia faz essas interpretações; mas Building the groove, entre outras milhares que Mauriat interpretou, não. De qualquer forma, temos material suficiente para muitos 'débuts'. Viva Chopin! E Mauriat, claro.

(capa meramente ilustrativa)

1970 - Valse - opus 70 no.1
1970 - Valse brillante - opus 34 no.1
1970 - Valse brillante - opus 34 no.3
1970 - Valse en La bemol - opus 64 no.3
1970 - Valse en Si mineur - opus 69 no.2
1970 - Valse Grande brillant - opus 18
1970 - Valse Grande en La bemol - opus 42

(capa meramente ilustrativa)

1970 - All kinds of everything
1970 - Bridge over troubled water
1970 - C'est la vie, Lily
1970 - Classical gas
1970 - Colombe ivre
1970 - Gone is love
1970 - In the summer time
1970 - Let it be
1970 - Ma maison et la rivière
1970 - Penelope
1970 - Raindrops keep falling on my head
1970 - Sunshine and seashore (Avec du soleil et de l'eau)
1970 - Sympathy
1970 - Theme de Borsalino

Paul Mauriat em 1972

6 comentários:

  1. Prá mim, o melhor período do mestre. Músicas como We Shall Dance, Freedom, Midnight Cowboy, Last Summer Day, A Summer Place, são fruto da melhor fase criativa de Paul.
    Jóias da boa música ! Sérgio Silva Chaves.

    ResponderExcluir
  2. hi André Emílio,
    Fantastic blog! i would love to add a link from my blog detour. thanks for a incredible collection of mauriat recordings.
    ps, you are very handsome for such an obsessive collector ;).

    ResponderExcluir
  3. pps, if you want to post any of the mauriat lps from my site here you are more than welcome to!

    ResponderExcluir
  4. Ola Emilio, muito bom o seu blog, é uma forma de celebrarmos a musica instrumental de um mestre que conta com suas interpretações um pouco da história da música a partir dos anos 60! Bela memória de páginas musicais que nao devemos esquecer! E que Mauriat seja uma estrela sempre, na constelação dos gênios musicais do séc XX! sucesso amigo!

    ResponderExcluir
  5. Que maravilha esse blog...por que os melhores blogs de música são sempre de gaúchos?

    ResponderExcluir
  6. Boa Noite,
    Andre Emilio,já visitei seu blog antes muito bom mais agora consegui achar o seu endereço e gostaria de saber se vc tem a Contra Capa do Album "Gones is Love" pois estou a procura,será q é pedir muito,vc disponibiliza algum link para baixar.Um abraço e Obrigado.

    ResponderExcluir

Bem vindo!