quinta-feira, 1 de janeiro de 2009

Paul Mauriat - 57 a 65 - Prestige de Paris

1957 a 65 – PRESTIGE DE PARIS:

Inventores do music-hall (final do século XIX), os franceses criaram uma tradição de canção literária, a chanson - poética, satírica ou dramática, da qual Edith Piaf, Maurice Chevalier, Charles Trenet, Aznavour, Jacques Brel, Yves Montand, Henri Salvador, Claude François (Comme d'habitude, My Way), Jacques Brel (Ne me quitte pas) ou Mireille Mathieu estão entre os mais ilustres representantes. E Mauriat, claro, foi diretamente influenciado, além da música norte-americana, pelo movimento das chansons, além de ter feito parte dele. Conduziu Chevalier, Aznavour, Mireille, Salvador, como arranjador e compositor.

A canção entra então numa verdadeira idade de ouro, onde a extravagância disputava espaço com a prodigalidade. Dos bairros chiques aos subúrbios, o público aflui em grande número a esses teatros dedicados à canção.
Paul Mauriat ao piano, com amigos, em 1943

Operários, burgueses, artistas, comerciantes, militares e babás encontravam-se lá, diante do mesmo palco, da mesma cereja na aguardente, num ambiente agradável, caloroso, barulhento e enfumaçado, para se reabastecer com a admirável safra de novos refrões que refletia a alma de todo o país. Artistas nunca vistos antes entram em cena, fazendo de tudo para se sobressair - e aí é onde Mauriat foi reconhecido. Mas a onda do nascente iê-iê-iê nos anos 60 engole as chansons e até hoje elas não se recuperaram. Como Brel, eu diria: 'Não me deixe. Eu não vou mais chorar, eu não vou mais falar. Eu me esconderei lá para te contemplar a dançar e sorrir e para te ouvir cantar e então sorrir, ne me quitte pas.'. Em um revival em 2007, o diretor Olivier Dahan trouxe beleza, em todos os sentidos, e o reconhecimento das novas gerações do que talvez a principal parte dessa história: a vida de Édith Piaf. L'amour est bleu et la vie en rose, definitivamente.
Jean Bernard e Paul Mauriat em Marselha, 1944

(capa meramente ilustrativa)

1962 - Chariot
1962 - Charles Aznavour - There is a time
1962 - Charles Aznavour - You've let yourself go
1962 - Hallali twist
1962 - Mirella
1962 - Sur un marche persan
1962 - Voila voila
1963 - Adagio (avec Baden Powell)
1963 - Be My Baby (avec Jo Valon)
1963 - Prelude (avec Baden Powell)
1963 - Samba en preludio (avec Baden Powell)
1963 - Sylvie
1964 - Arabesque in blue
1964 - Douliou-douliou saint tropez
1964 - Entrecote story
1964 - Faites sauter la banque
1964 - Le gendarme a new york
1964 - Les garçons sont gentils
1964 - Panique a la tv
1964 - Work in blue

(capa meramente ilustrativa)

1957 - Andalucia
1957 - La marie vision
1957 - Tendre piege
1959 - Ciao ciao bambina
1959 - Jazz tango
1959 - Mon homme (avec Henri Salvador)
1959 - Personality
1959 - Quizas, quizas, quizas
1959 - Rendez-vous au Lavandou (avec Henri Salvador)
1960 - Begin the beguine avec Caterina Valente
1960 - Siboney avec Caterina Valente
1960 - Stranger in paradise avec Caterina Valente
1961 - Daniela
1961 - Dum dum
1961 - Hit the road jack
1961 - La marche des anges (avec Charles Aznavour)
1961 - Les feuilles mortes
1961 - Medley: A Paris, Pigalle
1961 - Medley: C'est si bon, I love Paris, Paname
1961 - Medley: Menilmontant, Paris je t'aime, La goualante
1961 - Medley: Paris canaille, J'aime Paris au mois de mai
1961 - Medley: Sous le ciel de Paris, Padam padam
1961 - Medley: Sous les ponts de Paris, Coin de rue, Roman
1961 - Mon homme (avec Henri Salvador)
1961 - What i'd say

Anúncio da apresentação de
Paul Mauriat e seu amigo Jo Valon,
no Atrium des Thermes Sextius, 1947

3 comentários:

  1. Parabéns, André pelo blog e pela iniciativa. Nós os amantes da boa música agradecemos. Abraços.

    ResponderExcluir
  2. Adelante. Soy de España . Ánimo y parabens . Buen trabajo -

    ResponderExcluir
  3. excelente trabajo pra adelante¡¡¡gracias

    ResponderExcluir

Bem vindo!